“Fulano (pro-player) de tal foi ‘juvenil’ com seu Teemo nesta jogada!”

juvenil you are at League of Legends the higher your IQ is ...

Durante um jogo, essas críticas são muito comuns nas redes sociais e até mesmo na transmissão da partida nos canais oficiais da Riot Games. Essa expressão quer dizer que o atleta foi ingênuo ao cair em uma armadilha ou pode ter cometido um erro bobo durante a partida, mas qual o real significado dela?

O que é “Juvenil”?

Muito distante da realidade de Summoner’s Rift, o futebol foi a primeira modalidade a usar esse termo para pegar no pé de alguém, pelos mesmos motivos citados acima, além de aparecer em outros esportes (coletivos) olímpicos como o vôlei e basquete. A diferença de modalidade não descaracterizou a brincadeira, mas qual a diferença do “juvenil” do esporte mais popular do planeta para o do League of Legends?

No futebol, para um atleta sair da categoria juvenil (sub 20) e chegar ao profissional para ter a “honra” de ser chamado de “Juvenas”, leva o tempo de no mínimo nove anos de categorias de base; descartando os clubes com melhores estruturas e usando uma equipe média, neste processo o atleta passa por centenas de outros jogadores e dezenas de membros de comissão técnica enquanto absorve conhecimento do ambiente ao seu redor. Mesmo assim ao chegar nos adultos, por vezes lhe falta experiência ou malícia, o que é normal no processo de amadurecimento. 

Já no Lolzinho nosso de cada dia, o pro-player se destaca nas filas ranqueadas, por vezes se destaca em algum time tier três e logo é chamado para se juntar às principais equipes do país. Não existe categoria de base e pouco é a experiência em equipe do indivíduo até chegar nas principais competições da modalidade. Neste contexto muitas vezes o atleta é queimado por conta do déficit de conhecimento e prática em âmbito coletivo, tornando a comparação injusta. Em outras modalidades a categoria juvenil pode ir até 22 anos, enquanto os cyber atletas estão estreando no stage por volta de 17 anos de idade.

Este colunista escreve esses parágrafos para que as organizações invistam mais em categoria de base (só ter time academy não chega nem perto de resolver o problema) e na capacitação de staff e jogadores.